Veneno do Viés

Quem nunca foi perseguido por anúncios que não entende porque habita seu meio digital?

Cadê aquele amigo que sumiu da minha timeline nas redes sociais?

Por que estou sendo lavado por uma imensidão de posts do Cifras e Resiliência Humana?

Bem, tudo isso é resultado de um produto da ciência chamado ALGORITMO

Esse tal de algoritmo hoje determina o que devo e o que posso ver de maneira orgânica em todos os meios digitais que habito. 

Mas, pera aí. Isso é legal… não perco mais tempo com bobagens e nem vendo coisas que não me interessam.

Até certo ponto concordo que o algoritmo é importante – no ponto de vista produtividade e busca por melhores oportunidades, nos ajuda muito na economia de tempo e encontrar as melhores possibilidades. Mas existe alguns vieses que para mim são importantes. O maior é o conhecimento.

 

 

As amarras do Algoritmo

 

Ficamos presos a ofertas condicionadas, assuntos direcionados, amizades induzidas e esquecemos que o mundo é feito de possibilidades.

Seguimos o fluxo da indução e deixamos de pensar sobre outras vertentes e jornadas.

Esquecemos de que somos seres feitos de intuição e sentimentos. 

Vivemos a vida de avatares que construímos e deixamos a matemática moldar.

Não sou um ativista contra os algoritmos, pelo contrário. Acredito que são geniais e ajudam muito. Hoje me preocupo muito o quanto eles estão tomando conta do “real life” e determinando nossos padrões.

Tive a oportunidade de ouvir uma análise do livro Weapons of Math Destruction (Armas de Destruição Matemática) da autora Cathy O’Neil. Nele, ela explora exatamente esse tema e demonstra uma coleção de casos onde o Viés se tornou um Veneno.

Fica claro que se saímos da jornada determinada pelos algoritmos, somos tidos como fora do padrão e muitas vezes somos retalhados por isso.

Hoje vivemos numa era que se você envia um CV para uma vaga de emprego e, se este está fora dos padrões de diagramação determinados pelo algoritmo, está fora do processo.

Vagas de emprego são direcionadas para perfis socioculturais mais comuns para o perfil da vaga.

Ou seja, qualquer viés é considerado veneno e excluído de qualquer possibilidade.

Onde fica então aquele ser humano que desafia o padrão? Aquele que, apesar do padrão de tudo contra, vence e consegue superar todos os desafios? No algoritmo de diagramação de CVs?

Pois amigos, há um tempo diziam que o computador veio para nos servir o humano e ajudar a desbravar jornadas onde nunca tínhamos andado. Ajudar porque a máquina nunca conseguiria ver o detalhe e a excelência que só a experiência e intuição do homem conseguiria chegar.

Hoje vejo que, devido a vários fatores, renunciamos a nosso maior diferencial. Deixamos os padrões nos comandarem.

O que me anima é que as novas gerações estão desafiando o sistema. Desacreditando os padrões e buscando suas verdades.

Vamos tomar um café?

Telefone: (11) 5583-1980

E-mail: slcomm@slcomm.com.br

Evandro Lopes

By |2019-07-05T12:17:35+00:00julho 5th, 2019|Notícias|0 Comments