Um desabafo sobre tecnologia

A cada dia que passa, experiência que vivo, mais fico em dúvida da resposta sobre o modelo ideal dessa grande revolução que estamos vivendo, a digital.

De um lado, vejo cada vez mais as pessoas pedindo para se relacionarem com pessoas, refutando relacionamentos com máquinas.

De outro, porém, pessoas cada vez mais desqualificadas para desenvolvimento desse modelo one a one.

Onde está o modelo ideal? Ele existe?

Calma, vou explicar os motivos de toda essa divagação…

 

Ontem, fui na maior rede maior Fast food com meu filho e vivi a pior experiência que poderia descrever no quesito atendimento.

Fora a questão que tenho certeza que a pessoa que me atendeu não estava nem tentando ser minimamente educada, dos três lanches que foram pedidos, dois vieram errados.

Diante de todo o tratamento infeliz que recebi, resolvi pular os possíveis novos transtornos e ignorei o erro do meu lanche, pedindo que trocasse apenas o do meu filho.

Esse simples pedido de atender a minha solicitação parecia que tinha agredido pessoalmente a pessoa. A má vontade foi o sentimento determinante, estampado em seu rosto.

Mas nem tudo estava resolvido… Conheço a lenda que diz que nunca devemos pedir para que troquem os nossos lanches porque o novo chegava batizado.

Pois é, naquela situação, meu filho seria a bola da vez. E infelizmente não consegui pensar em outra coisa naquele momento.

Peguei o novo lanche, e examinei atentamente para ver se não tinha nada além do que pedi. Acho que saímos ilesos do batismo.

Voltando ao tema, refleti sobre a influência da tecnologia na nossa rotina e me perguntei: Estamos perdendo espaço para a tecnologia ou estamos dando oportunidade para ela nos poupar de desgastes como esse?

Temos milhares de desempregados ou vítimas de nossa educação?

São milhares de vítimas da evolução ou protagonistas de um espírito de vítimas que nos assola desde nosso descobrimento?

A tecnologia veio para acabar com relações ou com as dores das relações?

Sou um apaixonado pelo face to face, de um bom papo com pessoas, do calor humano. Mas, mais do que isso, educação e respeito.

Ninguém é obrigado a ser ou estar onde não quer.

Lute e conquiste o seu desejo.

By |2019-11-26T17:22:44+00:00novembro 26th, 2019|Notícias|0 Comments